Rorainópolis: máquina de tratamento vai melhorar qualidade de frutos cítricos do Estado

O maquinário irá fomentar ainda mais a fruticultura em Roraima, que com a recente conquista de liberação para exportação, anda a passos largos – Foto: Neto Figueredo

O Sul do Estado ganhou mais um investimento para crescimento da produção de citros da região. Nessa terça-feira, 7, foi inaugurada a maior máquina de tratamento de frutas já adquirida em Roraima. O equipamento está instalado na Vicinal 10, no município de Rorainópolis, região onde se concentra maior parte da citricultura roraimense.

Instalada na propriedade do senhor Antônio Gomes, a Unidade de Consolidação ocupa uma área de cerca de 132m² medindo quase 40m de comprimento. Gomes explicou que sua iniciativa foi incentivada por profissionais da Aderr (Agência de Defesa Agropecuária de Roraima), e também por acreditar no potencial da citricultura na região.

“O pessoal da Aderr está sempre presente aqui trazendo muitos esclarecimentos para nós, e eu acredito demais na força do produtor aqui de Rorainópolis porque são muitas propriedades que cultivam laranja, limão e tangerina que tinham que pagar caro por esse trabalho em outros lugares. Agora com a nossa máquina vai ficar tudo mais fácil tanto pra mim que também sou produtor, como pra eles”, festejou.

Para a unidade funcionar, foi preciso a certificação da Aderr para garantir a segurança fitossanitária. Patrícia Pereira, gerente de Defesa Vegetal, explicou a necessidade de manter essa segurança. “Nós acabamos de conseguir a liberação do Ministério da Agricultura para exportar vários frutos, inclusive, já temos produtores exportando, então temos que continuar esse trabalho de conscientização com palestras e outros trabalhos, principalmente no Sul do Estado onde se concentra a maior produção de citros. Manter essa segurança é um ganho não só para o Estado, mas para todos os produtores que assim podem crescer cada vez mais”, esclareceu.

Ao fazer a vistoria na máquina, Francisca Alves, chefe do Núcleo de Certificação da Aderr, constatou a regularidade e entregou o certificado para o proprietário. “Os produtores devem seguir várias regras e nós estamos aqui para fazer essa orientação para eles trabalharem dentro da legalidade e assim gerar renda e emprego para tantas pessoas”, explicou.

Redução de custo

Antes da chegada da máquina, os produtores pagavam frete para levar a produção até a unidade mais próxima que fica a cerca de 100 quilômetros. Além da redução desse frete, o custo para a realização do tratamento vai ser menor, devido a sensibilidade do proprietário. José Eusébio, citricultor da vicinal, festejou a iniciativa.

“Nós estávamos tendo um gasto muito grande para tratar nossas laranjas, mas agora com a proposta do Gomes, vamos economizar porque ele só vai cobrar um valor simbólico pelo trabalho. Sem falar no frete que pagávamos para ir até o Itã que agora não vamos mais ter esse gasto”, comemorou.

Educação Fitossanitária

Por ser a região onde mais se produz citros em Roraima, a Aderr desenvolve um trabalho de Educação Fitossanitária mais frequente no Sul do Estado. Profissionais da diretoria de Defesa Vegetal estão constantemente realizando palestras e outros eventos para orientar os produtores.

A Mosca da Carambola é a maior preocupação dos técnicos, pois Roraima já esteve proibido durante oito anos de exportar as frutas que podem ser hospedeiras da praga. Entre elas estão a laranja, o limão e a tangerina. O Ministério da Agricultura liberou a exportação em maio deste ano.

Preocupado com o seu plantio, Gomes exige o certificado fitossanitário dos produtores para fazer tratamento em sua unidade de consolidação. “Eu propus um valor bem abaixo do mercado para eles, mas para utilizar minha máquina, todos têm que mostrar a documentação, se não a gente não vai aceitar para não correr o risco de perder o direito de vender nossas frutas para fora”, afirmou.

Dia de Campo

Por duas vezes o Governo do Estado, por meio da Aderr, Seapa (Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Femarh realizaram o Dia de Campo nos municípios de Rorainópolis e Caroebe. O evento contava com três dias de palestras sobre pragas, e orientações sobre legalização e documentação.

Rosi Martins

 

 

Redação Macuxi